Diabetes na Infância, fique atento aos sintomas!

por Unidade São Camilo de Análises Clínicas | postado 28 de Agosto de 2018 informação, prevenção

Como acontece?

Quando uma criança come ou bebe qualquer coisa, os sucos gástricos fragmentam os alimentos em minúsculas partículas de um açúcar simples chamado glicose, que é a principal fonte de energia do corpo.

A glicose passa então para a corrente sanguínea, onde um hormônio, a insulina, ajuda as células a usá-la para obter energia e crescer.

A insulina é produzida pelo pâncreas, um órgão glandular localizado atrás do estômago. Em pessoas saudáveis, o pâncreas naturalmente produz a quantidade de insulina necessária para transferir a glicose do sangue para as células.

Quando alguém tem diabete tipo 1, o pâncreas simplesmente não produz insulina. No caso da diabete tipo 2, existe a produção, mas as células não conseguem absorver a substância (a chamada resistência à insulina).

A forma mais comum de diabetes na criança é a diabetes tipo 1 em que a destruição maciça das células insulínicas do pâncreas é responsável por um aumento dos níveis de açúcar no sangue, sendo essencial o tratamento com insulina subcutânea várias vezes ao dia.

Sintomas aos quais deve estar atento:

  • Sede excessiva;
  • Fadiga e irritabilidade;
  • Aumento inesperado do apetite;
  • Perda repentina de peso;
  • Hálito adocicado, com odor de fruta ou semelhante a vinhos;
  • Urinar em excesso

Tratamento

A insulina, o exercício físico e a alimentação saudável são os pilares do tratamento da diabetes na criança (diabetes tipo 1).  Se for mantido um bom controle dos níveis de açúcar no sangue, a criança poderá manter um padrão de vida normal, tal como outras crianças da mesma idade (aos níveis educacional, profissional e social). Para isso, é importante o envolvimento de toda a família e da comunidade na qual a criança está inserida.

O tratamento da diabetes tipo 2 faz-se inicialmente com comprimidos (antidiabéticos orais), sendo a insulina reservada para os casos mais avançados onde se apresenta uma má resposta à medicação oral.

 Quais os exames para descobrir a diabetes?

Para o diagnóstico da diabetes três exames são mais recomendados. Geralmente, solicita-se a realização de glicemia em jejum, hemoglobina glicada e curva glicêmica.

A glicemia em jejum é um exame importante que tem como finalidade medir o nível de glicose no sangue do indivíduo.

O exame de hemoglobina glicada é feito juntamente do de glicemia em jejum. Este exame possui como finalidade medir o nível de hemoglobina glicada, fração da hemoglobina que se liga à glicose. Quanto mais glicose no sangue, maior será a produção de hemoglobina glicada, sendo que este exame consegue mostrar uma média das concentrações dos últimos 3 meses, já que os glóbulos vermelhos vivem somente 90 dias e a hemoglobina é uma proteína destas células do sangue.

Por fim, o exame de curva glicêmica tem como finalidade medir a velocidade da absorção da glicose depois de sua ingestão. Para tanto, o paciente deve ingerir 75g de glicose e a medição da absorção é feita algumas horas após a ingestão.

Para maiores informações procure um médico.